Emprapii deve expandir para 42 unidades até o final do ano

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) atua em cooperação com instituições de pesquisa científica e tecnológica do país, financiando projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) através de recursos do MCTIC e do MEC.

Atualmente, fazem parte do quadro da instituição 28 centros cadastrados, este número deve aumentar para 42 até o fim de 2017. É o que afirmou na manhã desta terça-feira, 11 de abril, o diretor presidente da instituição, Jorge Guimarães durante o evento ‘Inovação e o Futuro da Indústria’ realizado em conjunto com a Fiemg e a agência de promoção de investimento e comércio exterior de Minas Gerais, o INDI.

“A importância deste evento surge justamente para alinhar onde a Embrapii colabora com a aplicação de recursos. O que nos diferencia é que selecionamos grupos de pesquisa com a competência necessária para levar a inovação produzida nestes  centros para a indústrias” afirmou Jorge.

Inovar na indústria é uma missão que tanto a Fiemg quanto o BDMG observam como fundamentais para o desenvolvimento do país e fuga da crise: “O Brasil carece muito de esperança. Precisamos aumentar a expectativa para combater a escassez que se apresenta. E, sem dúvida, a inovação é o melhor caminho para alimentar essa esperança” acrescentou Paulo Brant, chefe-executivo do sistema Fiemg.

Na mesma linha, o presidente do BDMG, Marco Aurélio Crocco, reafirmou a postura em tornar a instituição um ‘Banco da Inovação’ “Sem inovação não conseguimos avançar nessa questão industrial, é irreversível. Ainda não temos um sistema unificado de inovação para padronizar ações como estas, para que sejam iniciativas mais perenes”.

Fontes de Financiamento

Uma das premissas do evento era reunir instituições fomentadoras da inovação e debater um pouco sobre todas as linhas disponíveis para captação de recursos. Na mesa participaram instituições como BNDES, Sebrae, Fapemig, BDMG e Embrapii. Cada instituição teve 15 minutos para apresentar aos projetos presentes as mais diversas oportunidades, a maioria delas, projetos para Minas Gerais. Como disse Evaldo Vilela, presidente da Fapemig: “nosso principal objetivo é fomentar todos os nossos ICT para que nossos pesquisadores continuem desenvolvendo projetos dentro do estado”.

Para Leonardo Dias, subsecretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais, o governo do estado tem apoiado projetos para que não haja essa fuga: “apoiamos iniciativas como SebreLab, FiemgLab, Biostartup Lab, além de termos em Minas o único programa público de aceleração de startups do país, o SEED, e agora o recém inaugurado Hub de Inovação, para dar suporte às empresas que recém saíram da aceleração”.

Embrapii em Minas Gerais

Em Minas Gerais, existem três unidades e um polo EMBRAPII. São elas:

DCC/UFMG – especializada em software para sistemas ciber-físicos, o Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais desenvolve plataformas computacionais para tratar componentes físicos, virtuais e sociais em diferentes escalas e suportados por diversas tecnologias. Acesse:

INATEL – com competência em sistemas de comunicação digital e radiofrequência, a instituição, que é situada em Santa Rita do Sapucaí, trabalha com arquiteturas e dispositivos de redes de alta densidade, dispositivos de comunicação digital e radiofrequência e sistemas de monitoramento remoto.

FEMEC/UFU – a Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Uberlândia tem competência em tecnologias metal-mecânicas, atuando com novas tecnologias em medição de propriedades e comportamentos mecânicos, tecnologia de superfícies e tecnologia de união, reparo e adição.

Polo EMBRAPII IFMG – O Instituto Federal de Formiga/MG tem como foco o desenvolvimento de softwares e sistemas automotivos inteligentes, aplicações embarcadas e protocolos de comunicação inter e extra veicular.

FONTE: http://www.simi.org.br/noticia/emprapii-deve-expandir-para-42-duas-unidades-at%C3%A9-o-final-do-ano.html